as coisas mudam de lugar II

Eles vão-se embora

E eu continuo seguindo o meu caminho

Andando pela rua

Charmeando pela praia

Sozinha na rua

Como a lua

E em paz

Algumas vezes

Parece que o céu vai car

E ele até cai

Chuvas ácidas

Granizos

E também cocô de pombo

Tudo cai do céu

Eu

Meus berros

Os pratos

As roupas

Não importa

Coisas caem do céu

E sobem vôo também

As coisas mudam de lugar

As pessoas perdem importância

E a roda continua girando

Só você, meu ex-amor

Que não volta

Que não cai do céu

Melhor

Se se jogar

Vou sair de baixo

E esperar que se esborrache

Ou morra

Atropelado por uma van

A vida é assim

As coisas mudam de lugar

E as pessoas

Vão perdendo importância

Se demitem

Do cargo de amadas

Abandonam

Sem aviso prévio

E as coisas vão se acomodando

Eu

Continuo pintando a rua

Com o salto do meu sapato

E escrevendo poesias

Que matam

Machucam

Preferia torcer teu pescoço

Mas prefiro fazer poesias

Prefiro um livro com meu nome

A um cárcere

De nada vale matar por amor

Morrer por amor

Melhor esperar outro

Que a fila anda

E o que vem depois

É sempre melhor

Que o anterior.

 

Anúncios

sábado em copa

Começou a chover na cidade maravilhosa e o céu parece um mangue sem caranguejos azuis.

As borboletas se escondem, e eu, na frente dessa tela iluminada, mais pareço com uma lagarta preparando o casulo.

Ta frio e a tarde de sábado anuncia um final de semana vazio.

Roupas no saco esperando a máquina, pés querendo pintar as unhas.

Detesto serviço doméstico, mas não gosto quando a casa está de pernas para o ar.

O vento entra pela janela, e até ele canta querendo ver o sol.

Copacabana não combina com isso.

Eu não combino com isso.

Lavo o cabelo, tomo café, preparo um sopa e espero um telefonema que prometa encomendar a noite de hoje.

Mesmo assim ,não quero sair de casa.

as coisas mudam de lugar

gosto de receber e presentear com flores

flores de verdade

flores que hoje estão vivas e que amanhã vão murchar

vão morrer

não me importo se elas vão murchar

não me importo se elas vão morrer

me importo se são flores

a vida é assim

hoje a gente ama

e amanhã esquece

e é esquecido

o doce deixa de salivar a língua

as mãos deixam de pedir

o calor gela

o coração não deixa de bater

e nós não mudamos o nosso nome

são as coisas

as coisas

as coisas mudam de lugar

oh,céus!

sobrou uma coisa para fazermos:

vamos contemplar!

TODO MUNDO BEBE COCA-COLA

Tem dias em que eu vou dormir

Sem escovar os dentes

E vezes em que passo 24 horas

Sem tomar banho

Tem vezes em que só sobra

O guardanapo da cozinha

Para usar no banheiro

Tem vezes em que só tem uma maçã na geladeira

E até a água da garrafa acabou

Tem quintas-feiras

Em que passo a tarde inteira

Vendo televisão

Tem momentos

Em que não penteio o cabelo

E saio na rua assim mesmo

Já dei calote no ônibus

E pedi emprestado

Porque não queria trocar minha nota

De cinqüenta reais

Tenho meias furadas

E batons vencidos

Usei a mesma blusa dois dias

Porque o resto

Estava na roupa suja

Matei uma aranha

Mas não varri a sala

Decorei a maçaneta

Mas não pintei as paredes

Fui na casa de um amigo

Para filar a janta de domingo

Aceitei o convite

Porque ele se ofereceu para pagar

Viajei sem um puto na carteira

Algumas vezes fui cara de pau

Contei história triste pro guarda

Fiz escândalo só para aparecer

Desci o barraco no banco

Só para conseguir desconto

A única vergonha que tive

E por isso nunca tive coragem de fazer

Foi falar eu te amo

Porque não tinha mais o que dizer

 

postado por Débora Almeida